Sengoku Youko

E como fazer um battle shounen direito.

Antes de começar a falar do manga em si, gostaria de falar um pouco sobre a grande maioria dos battle shounens, principalmente aqueles da Jump e um problema em especial que tenho com eles.

Não, eu não os odeio por serem populares, nem os acho ruim, porem os acho desnecessariamente grandes. Para exemplificar vamos usar One piece O MELHOR MANGA DO MUNDO, como falado por muitos. Ele atualmente tem 67 fucking volumes, e muito do que tem é simplesmente não é necessário. Podemos pegar por exemplo a saga de Skypiea, que é muito boa por sinal, mas simplesmente não adiciona nada para a história, ou as pequenas coisas que adiciona poderiam ter sido introduzidas em outros lugares ou Davy Back Fight que é possível pular sem perder nada, como aconteceu comigo.

Outro exemplo seria o horroroso arco dos tritores que serviu só para mostrar os novos poderes da tripulação, mas afrente a vilões sem nenhum carisma acabou ficando algo raso. Novamente não acho One Piece uma obra ruim, mas é algo que poderia usar um “editor”. Claro que isso é culpa da Jump e não do autor, que faz seus mangas populares continuarem mesmo quando não precisa mais, fazendo diamantes já perfeitos apenas ganharem arranhões. Não que eles não sejam culpados, querendo ficar famosos e ganhar dinheiro. BLEH I SAY BLEH!

Agora vamos falar propriamente sobre Sengoku Youko, obra de Satoshi Mizukami que já mostrou seu potencial em criar um battle shounen que sabe onde acabar e tem um ideal de escopo, o ótimo The Lucifer and Biscuit Hammer.

Sengoku Youko conta a história dos irmãos Jinka e Youko para espalhar amor pelo mundo dos humanos. Youko é uma youkai raposa e Jinka um amante de demônios que odeia de humanos, ao longo do caminho da jornada eles se juntam a um samurai chamado Shinsuke; e logo são jogados em uma guerra contra uma organização de monges que andam fazendo maldades, tanto para humanos como para demônios.

A história é bem simples, uma saga de vingança, mas o que importa é sua execução, e aqui ela é feita muito bem, e sem perder tempo. A primeira parte do manga que dura até o volume 6 tem todas as tropes de uma battle shounen: treinamento, generais a serem derrotados, sacrifícios, rivais , evolução, mudanças de roupa…Tudo que faltou foi um torneio.

Mas vamos até um battle shounen para ver battles certo? Elas são muito boas, ele é um daqueles mangas que já começa com o protagonista forte e ele vai ficando mais forte com o passar do tempo, não demorando muito para estar destruindo montanhas.

E é claro o traço ajuda muito, normalmente já é um traço bom, com uma arte de ”feito a mão”, mas em lutas ele fica fantástico, chegando perto do nível da batalha Black Star Vs Mifune em Soul Eater, fazendo elas, e tem muitas delas, ficarem perfeitas.

Um ponto final a levantar. O manga é dividido em partes pelo que se parece, e a primeira parte já acabou, de um jeito muito legal por sinal e agora está na segunda, que faz as coisas diferentes fazendo uma inversão na história, não vou falar o que a segunda parte trata porque seriam spoiler, mas digo que vale a pena.

Sengoku Youko é um ótimo manga de uma mangaka que tem se mostrando muito bom nisso. Recomendo ver a obra anterior dele, que já está acabada e não é muito longa, e logo depois ir ler essa beleza, que tem tido uma evolução muito boa nos últimos capítulos, mostrando como se fazer um bom time-skip.

Anúncios